Osteopatia auxilia bebês com disfunções de sono

Você sabia que a Osteopatia pode ajudar seu bebê a dormir melhor? Quando descobrimos isso pedimos a nossa colaboradora Renata Rondini, jornalista e mamãe, para entrevistar o fisioterapeuta e especialista em Osteopatia Bruno Borges para nos contar um pouco sobre como essa técnica pode ser milagrosa para ajudar bebês com disfunções de sono.

Para bebês recém nascidos sempre indicamos o uso do Swaddle que consiste em uma manta macia, feita de tecidos suaves e respiráveis, projetada para envolver seu bebê de forma segura e confortável, imitando a sensação de estar no útero materno.

Bebê envolvido por um Swaddle dormindo no colo da mãe

Muito se fala na Osteopatia para combater as dores ou até mesmo melhorar as funções do corpo, mas você sabe do que se trata? Sabia que a Osteopatia pode ajudar no sono do bebê?

A Osteopatia é um tratamento criado nos Estados Unidos por Andrew Taylor Still (1828- 1917) e segue a seguinte orientação:  “encontre a disfunção, trate-a e deixa o corpo agir”.

O sistema de avaliação e tratamento, com metodologia e filosofia próprias, visa restabelecer a função das estruturas e sistemas corporais pela intervenção manual sobre os tecidos.

O fisioterapeuta Bruno Luis Amoroso Borges, especialista em Osteopatia pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito), explica como funciona o tratamento. “A Osteopatia, de forma geral, vai devolver a mobilidade aos tecidos, podem ser articulares, musculares, as fáscias, as vísceras. Quando a mobilidade é reestabelecida melhora os sintomas. Por exemplo, se o problema de sono do bebê se encontra a disfunção no osso esfenóide (é um osso situado na base do crânio anteriormente aos processos jugular e basilar do osso occipital. Apresenta um formato semelhante a uma borboleta ou morcego com as asas abertas.), ele repercute nas membranas intercranianas. Devolver a mobilidade nesse osso consequentemente promoverá um relaxamento nestes tecidos intracranianos.”

Bebê passando por uma sessão de osteopatia

A Osteopatia é uma especialidade da Fisioterapia e, portanto é essencial que seja ministrada por um profissional habilitado. A técnica não tem contra-indicação, sendo que o fisioterapeuta Bruno Borges já chegou a atender bebê com apenas cinco dias de vida.

“O mais jovem que atendi foi um bebê de cinco dias. Ele tinha uma dificuldade na pega da mamada. O bebê tendo liberação médica pode ser atendido. A Osteopatia não tem contra-indicação. O que se evita em bebês são algumas técnicas. Em adultos há muita manipulação, que chamamos Thrust, nos bebês evitamos e usamos movimentos mais suaves para devolver a mobilidade do tecido”, comenta.

Os pais que buscam a Osteopatia como alternativa para aliviar os incômodos das crianças têm como queixas mais comuns: refluxo, cólicas, assimetria do crânio, fusão precoce da moleira, algumas alterações ortopédicas, como luxação de quadril e alterações do sono e da mamada.

O tratamento é individual e com protocolo personalizado para cada paciente. No caso dos bebês, portanto a avaliação inicial e a realização da primeira sessão de manipulação, espera-se uma semana para avaliar a resposta, no caso de bebês com problemas no sono, para então determinar a quantidade de sessões necessárias.

Artigo escrito por: Renata Rondini – jornalista e mãe

Perguntas frequentes sobre a Osteopatia:

Bebê recebendo uma sessão de osteopatia

Quais sintomas podem ser tratados com a Osteopatia?

O tratamento para recém-nascidos e bebês pode aliviar o estresse físico da gravidez e do parto e é eficaz para os seguintes sintomas do bebê:

  • Trauma de parto difícil (parto muito longo ou curto, intervenções com ventosa ou fórceps).
  • Desafios da amamentação (dificuldade na pega, preferência por alimentar de apenas um lado).
  • Choro, inquietação, cólicas, distúrbios do sono.
  • Problemas digestivos (refluxo, gases, constipação)
  • Assimetrias da forma da cabeça e torcicolo congênito. 

É sempre bom levar o bebê recém-nascido para uma consulta com o osteopata, mesmo que nenhum sintoma tenha aparecido, para antecipar distúrbios que podem aparecer no futuro. É fato que muitos dos problemas desenvolvidos na infância poderiam ser antecipados e até resolvidos com uma sessão dessa modalidade. 

A partir de qual idade um bebê pode se consultar com um osteopata?

Não há idade mínima. O bebê pode passar por uma avaliação com osteopata desde os primeiros dias de vida.

Se houver alguma preocupação específica, quanto mais cedo o bebê for visto, mais fácil será detectar e liberar as tensões que podem perturbar o equilíbrio de seu corpo e, eventualmente, criar vários inconvenientes.

Lembrando que nunca é tarde para o bebê ou criança passar por um tratamento osteopático.

Para bebês e crianças mais velhas, o tratamento pode ajudar com:

  • Fortalecimento imunológico
  • Distúrbios otorrinolaringológicos recorrentes (infecções de ouvido, nariz e sinusite)
  • Asma
  • Dificuldades comportamentais e de aprendizagem

O início da puberdade e pré-adolescência pode exacerbar o trauma vivenciado durante o nascimento e a infância, manifestando-se em distúrbios estruturais ou funcionais, como escoliose, dores de cabeça ou dificuldade de concentração. Esportes, carregar mochilas pesadas e usar computador e videogame também podem levar a lesões e desequilíbrios.

Como é uma sessão de osteopatia?

A primeira consulta do bebê costuma ser de mais ou menos uma hora. É realizado um histórico abrangente do caso, fazendo perguntas sobre as queixas dos pais, o histórico da gravidez e do nascimento, o histórico médico do bebê e o histórico familiar.

Em seguida, é feito um exame cuidadoso no bebê, observando as articulações e os músculos em todo o corpo, também são examinados os ossos do crânio e interior da boca.


Em seguida é iniciado o tratamento corrigindo suavemente as áreas de tensão para permitir que o bebê continue seu bom desenvolvimento e para evitar futuros problemas.

Em alguns casos, o bebê pode ser encaminhado ao pediatra para triagem ou tratamento adicional, se necessário.

O que esperar após uma sessão de osteopatia?

O tratamento reequilibra certas disfunções no corpo do bebê e ele após a sessão seu corpinho estará se ajustando ao seu novo equilíbrio.

Após a sessão, o bebê certamente estará cansado. Cada bebê reagirá de maneira diferente. Alguns tendem a ficar bastante sonolentos e outros mais agitados. A maioria apresenta fome maior do que o normal.

Dentro de 1 a 3 dias, assim que o bebvê estiver totalmente recuperado da sessão, o comportamento voltará ao normal. O resultado pode ser imediato ou demorar alguns dias após a sessão para apresentar melhora. Em alguns casos, pode precisar de algumas sessões.

Sobre

Mãe de 2 meninos, publicitária, idealizadora do portal Grávida em Campinas e proprietária da loja Petit Papillon Bebê & Criança. Uma apaixonada pelo universo infantil e por todas as chances que a maternidade nos proporciona.

Artigos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Redes Sociais

siga nosso @ instagram