A tal autonomia infantil

Quem tem mais de um filho é fácil saber que cada um é diferente e mesmo tendo a mesma criação, valores e ética eles tem diferenças bem significantes no quesito personalidade. 

Enquanto eu só tinha o Ian (agora com 9 anos) nunca me preocupei muito com essa tal autonomia infantil, porque ele sempre foi uma criança mais dependente para fazer tudo…talvez um pouco de erro meu de querer mimar e entregar tudo na mão. 

Com o nascimento do Lorenzo (quase 3 anos) comecei a me questionar até que ponto podemos e devemos dar autonomia aos filhos. Lorenzo é completamente independente e quer fazer TUDO sozinho. Enquanto Ian me pede, até hoje, para cortar a maçã pra ele, o Lorenzo pega a maçã da fruteira sozinho, lava e passa por mim comendo na boa…sem nem pedir…kkkk 

Então fui conversar com pediatras, psicólogas, pedagogas e outras mamães para entender um pouco melhor esse universo e descobrir como ajudar meus filhos a terem mais autonomia pra se transformarem em adultos mais autoconfiantes. Abaixo seguem algumas dicas do que descobri: 

1)    Estimular e encorajar a autonomia é imprescindível para o desempenho cognitivo das crianças: 

Fiquei sabendo sobre um estudo canadense que prova que no momento em que a mãe dá suporte ao filho para a realização de uma atividade sozinho há uma grande melhora na capacidade da memória, no pensamento e na capacidade para solucionar problemas. 

Então, se você faz tudo para o seu bebê, até encaixar um lego que ele está com dificuldade, repense seus conceitos. 

Toda mãe, pelo menos a maioria, quer o melhor para o seu filho, mas isso não significa fazer tudo por ele. Ajudá-lo a conquistar a independência e a autonomia faz parte do processo de aprendizagem. 

É maravilhoso ver a criança feliz e realizada, e por isso é tão doloroso e complicado quando nos deparamos com a frustração da criança em lidar com o erro e com a decepção. Mas o melhor caminho é proporcionar incentivos para que ela tente resolver as situações que são possíveis para a sua idade. 

2)    Quando começar?

Tem mães que acham um exagero dar autonomia a um pequeno bebê, esquecendo-se que isso é um processo gradativo e na medida que a criança se desenvolve é capaz de realizar novas conquistas até que, pouco a pouco, vá se tornando independente.

Na verdade, não “damos” autonomia, apenas vamos ensinando e deixando para que a própria criança tente resolver conflitos com as orientações e valores que proporcionamos no dia a dia.

Ou seja, a “escolha” da criança sempre estará amparada pela supervisão dos pais ou responsáveis. 

Incentivar a autonomia não significa deixar a criança fazer suas próprias escolhas e tomadas de decisão sozinha. Significa estar ao lado dela orientando, incentivando e propondo desafios. 

3)    Como fazer?

Muitos pais não sabem por onde começar e descobri algumas dicas para dar início a esse processo: 

– Deixe que a criança participe das pequenas escolhas do dia a dia como ajudar no preparo da lancheira (aqui em casa escolho 3 frutas e apresento ao Lorenzo…ele escolhe qual delas vai levar naquele dia).

Outra opção é escolher 3 conjuntos de roupa infantil e deixar a criança optar qual deles quer vestir naquele momento. (Aqui em casa ainda estou adaptando esse momento, pois na maioria das vezes ele não quer colocar nenhuma…rsrsrsrs)

A dica é limitar o número de opções, se não a criança fica perdida e você fica maluca. 

– Explique para a criança sobre o ganho e a perda que se tem em cada escolha. Deixe que ela reflita dando tempo para a tomada de decisão.

Isso é mais fácil com o Ian, porque com 9 anos conseguimos explicar melhor as consequências de cada ato. 

– Quando houver arrependimento pela escolha feita, ensine a criança a lidar com a frustração sem críticas ou frases do tipo “eu te avisei”. Explique que nem sempre somos capazes de tomar a melhor decisão e que para isso existem outras oportunidades para acertar e melhorar. 

– Tente mudar a forma como brinca com seu filho deixando que ele guie a brincadeira (sempre sem riscos) 

– Também pode ser saudável para ambos os lados a criança assumir algumas tarefas de casa, sempre se respeitando as limitações físicas e emocionais e a idade das crianças fazendo com que isso seja uma tarefa compartilhada entre a família sem se tornar uma obrigação dolorosa.

Inicialmente devemos ensinar as tarefas fazendo junto com a criança. A idéia não é que a tarefa saia perfeita, mas que a criança entenda o valor daquela atividade. 

4)    Como sei o que meu filho é capaz de fazer em cada idade?

Vejo, constantemente, mamães e papais na dúvida sobre qual idade a criança é capaz de trocar de roupa sozinha, ou com quantos anos meu filho deve saber amarrar o sapato infantil sozinho? E tomar banho? 

Por mais difícil que possa parecer não devemos fazer TUDO para os nossos filhos, nosso instinto de mãe quer protegê-los, colocá-los debaixo de nossas asas, mas com essa atitude não permitimos que eles tenham a liberdade de viver os desafios de cada etapa do desenvolvimento. 

Vou listar aqui algumas tarefas fáceis e sugeridas por especialistas para dar um ponta pé inicial nessa caminhada da autonomia:

12 a 18 meses:

– Já podem comer com as mãos

– Guardar brinquedos 

2 a 3 anos:

– Comer com a colher

– Guardar os brinquedos nos lugares certos

– Aprender a lavar as mãos com auxílio de um banquinho

– Beber água sozinho

– Iniciar o processo de escovação dos dentes (só poderá fazê-lo sozinho quando conseguir escrever letras de forma)

– Ajudar a escolher a roupa que vai vestir

– Colocar a roupa suja no cesto

– Calçar e descalçar os sapatos (com velcro ou de vestir) 

4 a 5 anos:

– Subir escada

– Vestir-se e despir-se

– Abotoar e desabotoar

– Colocar comida no prato e depois colocar o prato sujo na pia

– Tomar banho

– Aprender a atravessar a rua

– Arrumar a mochila da escola

– Amarrar os sapatos

– Usar faca para comer

– Se limpar após utilizar o banheiro 

6 a 7 anos:

– Ajudar a lavar e secar a louça

– Colocar e tirar a mesa

– Preparar o lanche da escola

– Manter o quarto organizado

– Andar de bicicleta sem rodinha 

8 a 9 anos:

– Guardar as roupas nas gavetas e armários

– Escolher as roupas que vai vestir

– Usar relógio e calcular o tempo para as atividades

– Arrumar a própria cama

– Ajudar no preparo de refeições

Como em tudo relacionado aos filhos é preciso ter paciência e muito amor. O resto cada família vai adequando ao seu ritmo e necessidade. 

Gostou do texto? E na sua casa? Me conte como você está lidando com a autonomia das crianças… 

Deixe um comentário e compartilhe com os amigos.

Veja também esse E-book com os 7 passos para ensinar seu filho a gostar de ler

Bjs e até o próximo papo!

Sou Marília Tannuri Verni.

Mãe de 2 meninos,

publicitária, idealizadora do portal Grávida em Campinas

e proprietária da loja infantil on line Petit Papillon Bebê & Criança.

Uma apaixonada pelo universo infantil e por todas as chances que a maternidade nos proporciona.

Sobre

Mãe de 2 meninos, publicitária, idealizadora do portal Grávida em Campinas e proprietária da loja Petit Papillon Bebê & Criança. Uma apaixonada pelo universo infantil e por todas as chances que a maternidade nos proporciona.

Artigos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Redes Sociais

siga nosso @ instagram